Critérios para fazer rinoplastia

Critérios para fazer rinoplastia

Critérios para fazer rinoplastia

Os critérios para indicação da rinoplastia e o novo formato do nariz são a proporção e a simetria facial, através de medidas da face, sempre entendendo e respeitando o desejo do paciente.

A sensibilidade para notar o melhor caminho e procedimento para cada tipo de rosto não é encontrada apenas em cálculos perfeitos, portanto, também deve ser considerada a visão estética do cirurgião.

Atualmente existem softwares em 3D que utilizam a foto do próprio paciente para a visualização do nariz após a cirurgia plástica, mas é importante lembrar que eles dão apenas uma noção vaga dos resultados e não a certeza de como poderia ficar o resultado.

Logo, o senso estético do cirurgião plástico é muito importante para deixar o resultado mais harmonioso possível

Prepare-se para a sua cirurgia plástica

Prepare-se para a sua cirurgia plástica

Prepare-se para a sua cirurgia plástica

Antes de ir ao cirurgião plástico, anote todas as suas dúvidas para esclarecê-las com o seu médico.

Certifique-se de que o local onde será realizada a intervenção cirúrgica tem toda a estrutura necessária, incluindo uma unidade intensiva de apoio e, principalmente, escute a opinião do profissional escolhido, afinal o resultado varia de pessoa para pessoa.

Fonte : Revista Plástica & Beleza

Lipoaspiração dos joelhos

Lipoaspiração dos joelhos

Lipoaspiração dos joelhos
A cirurgia de lipoaspiração da face interna dos joelhos é um procedimento comum, realizado por cirurgiões plásticos no mundo inteiro.
A lipo de joelho é indicada para o tratamento de áreas com excesso de gordura na face interna dos joelhos.
É realizada para retirar as áreas de depósitos de gordura, que estão fora de proporção com o resto do seu corpo e não vão embora com dieta e exercícios.
Quando a lipoaspiração dos joelhos é pequena com um volume lipoaspirado, ela pode ser feita sob anestesia local em regime ambulatorial.
Normalmente essa cirurgia é feita sob anestesia peridural e leva, em média, uma hora para ser realizada.
Pernas sequinhas com lipo

Pernas sequinhas com lipo

Pernas sequinhas com lipo

A lipoaspiração circunferencial é realizada com uma cânula, porém bem mais fina, para deixar o resultado mais natural possível.

O procedimento é realizado através de incisões na virilha e nas partes interna e externa dos joelhos e, em vez de aspirar apenas a face interna da coxa, a cânula passa por todas as faces em movimentos ascendentes e descendentes de vai e vem, o que permite diminuir a largura da perna.

Durante o pós operatório, é recomendável que a paciente faça sessões de drenagem linfática para ajudar a desinchar a região.

Fonte : Revista Plástica & Beleza

Informações importantes para passar para o seu cirurgião plástico

Informações importantes para passar para o seu cirurgião plástico

Informações importantes para passar para o seu cirurgião plástico
Durante a consulta médica, antes da sua plástica, é essencial que você não esconda nenhum detalhe sobre a sua saúde e os hábitos que possam interferir no bom andamento da cirurgia e do pós-operatório.
Alguns medicamentos, como ácido acetilsalicílico, anti-inflamatórios, anticoncepcionais e também de alguns antidepressivos, são incompatíveis com algumas drogas anestésicas e devem ser suspensos por um período antes e depois da plástica.
Além disso, recentemente descobriu-se que o ginseng, a vitamina E e o ginkgo biloba também podem interferir na coagulação do sangue, causando hemorragias.
Fonte : Revista Plástica & Beleza
Gastroplastia endoscópica

Gastroplastia endoscópica

Gastroplastia endoscópica

Eliminar a gordura do corpo não é só mais uma questão estética e, sim, de saúde porque a obesidade favorece o aparecimento de doenças cardíacas, que resultam em infartos, derrames, AVC, proporciona diabetes tipo 2, hipertensão, alguns tipos de câncer, como de cólon e de mama, problemas de articulações, de fertilidade, assim como causar impactos psicológicos e sociais.

Por conta do aumento de obesos no país e dos riscos de uma cirurgia bariátrica, um grupo de estudos iniciou no Brasil uma alternativa à cirurgia bariátrica – a gastroplastia endoscópica, um procedimento minimamente invasivo apesar de complexo.

Enquanto em uma cirurgia bariátrica convencional, o paciente permanece por cerca de uma a três horas na mesa de cirurgia e de dois a quatro dias na internação, na endoscópica o procedimento leva menos de uma hora e o paciente sai no mesmo dia.

Assim, uma técnica mais segura e com um risco de complicação potencialmente menor que a cirurgia bariátrica.

Procedimentos minimamente invasivos e complexos, de menor custo, têm sido desenvolvidos com o objetivo de alcançar um maior número de pacientes.

Indicada para pessoas com índice de massa corporal (IMC) maior que 35 e portadores de doenças crônicas como diabetes, a Gastroplastia Endoscópica é um método de tratamento endoscópico da obesidade desenvolvido há cerca de três anos e que usa um equipamento de sutura endoscópica (endosutura) de última geração, aprovado pelo FDA e capaz de oferecer efetiva e duradoura ação sobre os tecidos suturados.

Como uma espécie de “pregas”, o procedimento envolve as paredes do estômago no corpo tubular, com objetivo de restringir a capacidade e diminuir o trânsito dos alimentos pelo do estômago, levando assim a saciedade precoce e induzindo perda efetiva de peso.

O procedimento é feito por via totalmente endoscópica, ou seja, não há cortes ou incisões no abdômen, em que o paciente é liberado no mesmo dia e com resultados iniciais promissores. O procedimento vem sendo indicado para pacientes a partir da obesidade grau I, mas não substituindo a cirurgia bariátrica quando a mesma estiver indicada.

Fonte : Revista Plástica & Beleza

Molde de silicone corrige orelha de abano em bebês e dispensa cirurgia

Molde de silicone corrige orelha de abano em bebês e dispensa cirurgia

Molde de silicone corrige orelha de abano em bebês e dispensa cirurgia

Orelha de abano, pontuda ou dobrada ? Essas e outras deformidades podem afetar de maneira negativa a percepção que as pessoas têm sobre a própria imagem e ainda se transformar em motivo de bullying na infância e na adolescência.

Uma aposta dos médicos para evitar essas situações desagradáveis é o uso de um molde de silicone que trata essas alterações já em recém-nascidos — quanto mais precoce o tratamento, maiores são as chances de bons resultados.

Muitas vezes correções cirúrgicas são possíveis, mas geralmente só vão acontecer depois dos 7 anos de idade, às vezes só na idade adulta, demandando anestesia geral e outros cuidados.

Nos recém-nascidos, a cartilagem, estrutura responsável pela forma da orelha, ainda é bastante flexível, permitindo a modelagem.

A plasticidade tem um motivo : nas primeiras semanas de vida ainda circula no organismo do bebê o estrógeno, hormônio materno que mantém as cartilagens moles — o que possibilita que a criança passe pelo canal de parto, inclusive.

Uma vez que o bebê nasce e o cordão umbilical é rompido, a quantidade do hormônio no organismo começa a reduzir rapidamente.

Um estudo científico publicado na revisa Plastic and Reconstructive Surgery e realizado com 488 pacientes com deformidades afirma que mais de 90% tiveram melhora com o molde. Os bons resultados são mais comuns se a aplicação do molde acontecer até três semanas após o nascimento. Após seis semanas, a chance de sucesso é baixa.

O tratamento leva de quatro a seis semanas e custa em torno de R$ 10 mil (planos de saúde não costumam cobrir procedimentos estéticos).

Além de poder sair mais barato do que uma cirurgia (que pode superar os R$ 15 mil) há outras vantagens do Ear Well (nome do produto): a não invasividade do tratamento, a preservação da audição e o não comprometimento da amamentação e o sono.

Para o bebê, o pior que pode acontecer, além de o molde não surtir efeito, são úlceras de pressão na orelha, que tendem a se resolver sem grandes intervenções. Durante o tratamento, não é permitido lavar a cabeça, o que dificulta a higienização.

O advogado Wagner Kohatsu, 39, e a médica Gabriela Schelini, 35, buscaram o tratamento para Lis, de 2 meses, que nasceu com orelhas de abano —quem percebeu foi o enfermeiro ao colocar os brincos; depois conversaram com um pediatra. Assim que soube da possibilidade de correção não cirúrgica, o casal correu atrás da alternativa.

“Espero que minha filha nem se lembre disso tudo, que um dia teve orelha de abano”, diz Gabriela.

Sem tratamento, é possível que alguns casos regridam sozinhos, mas outros não têm volta. O risco de a orelha de abano permanecer é proporcional à distância do meio da hélice (borda da orelha) ao crânio. No caso da bebê Lis, o início do tratamento demorou um pouco mais que o preconizado e talvez o benefício não seja completo. Ciente disso, Wagner diz que a menor chance de conseguir algum resultado já justifica a tentativa.

Outra bebê, Manuela (nome fictício), também faz a moldagem. Prematura de 33 semanas, ela passou um mês na UTI. Os pais ainda pularam de médico em médico até que, algumas semanas depois, o tratamento tivesse início.

O pediatra havia alertado que a alteração, conhecida como “lop ear” — na qual a porção superior é dobrada para fora — não afetaria a audição de Manuela. Mesmo assim, os pais decidiram recorrer ao tratamento. A mãe disse que, apesar de sair caro, seria importante evitar que a filha tivesse algum tipo de problema com a aparência e que ela ficasse à vontade para fazer coisas simples, como usar um penteado do tipo rabo de cavalo.

Outros métodos também podem ajudar a corrigir as deformidades das orelhinhas. Um deles utiliza gesso para colocar a orelha no lugar, mas tem pouca aceitação no meio médico. Outro jeito, também eficaz, é o uso de algodão, hastes plásticas e esparadrapo. A vantagem do molde é a certeza de que ele vai permanecer no local até a próxima visita ao médico.

Deformidades de orelhas em recém-nascidos são bastante comuns e cerca de 30% se resolvem naturalmente, especialmente aquelas que têm uma aparência amassada. Em adultos, estima-se que 5% das pessoas apresentem algum nível de alteração.

Boa parte da explicação para esse tipo de condição é genética: se ambos os pais têm orelha de abano, a chance de a criança também ter é grande.

Malformações — como microtia (quando falta parte da orelha) e anotia (ausência total), nas quais há déficit de cartilagem e de pele — são raras : afetam cerca de 1 a cada 3.800 bebês. Elas podem ter origem em infecções virais (como rubéola e herpes), pelo contato com substâncias teratogênicas ou por defeitos genéticos.

Se as críticas ao molde de silicone se dão mais pelo custo e pela falta de estudos científicos mais robustos, há também quem saúde a chegada de técnicas que permitem a resolução de casos que seriam cirúrgicos no consultório, seja pelo pediatra ou por outros especialistas.

Fonte : Folha de S.Paulo

Rippling

Rippling

Rippling

Rippling é o aparecimento de dobras nas mamas. Essas dobras são raras, mas podem ocorrer em algumas próteses de silicone, tornando-se cada vez mais palpáveis e visíveis.

O que acontece nesses casos é que a mama não tem espessura suficiente para cobrir e disfarçar o silicone ou alguma dobra dele.

O rippling acontece nos seguintes casos :

. Mulheres muito magras com pele delicada;
. Pacientes com pele muito fina e flácida;
. Mulheres que perderam muito peso;
. Próteses de silicone muito antigas;
. Glândula mamária muito pequena

Essas ondulações não causam câncer de mama e nem outras doenças. O único inconveniente é o prejuízo estético que essas dobras causam.

A troca do implante antigo por um novo, mais moderno e sem dobras e a colocação da prótese abaixo do músculo (dando mais cobertura ao silicone), costumam resolver o problema.

Rinoplastia ultrassônica

Rinoplastia ultrassônica

Rinoplastia ultrassônica

Uma consequência da multiplicação das selfies foi o aumento do número de cirurgias plásticas.

As de nariz, o ponto mais modificado do rosto depois das pálpebras, totalizaram quase 75 000 no Brasil.

Para essa turma, existe uma técnica novíssima que esculpe o nariz.

A nova cirurgia, inventada na França e batizada de rinoplastia ultrassônica, tem como inovação um motorzinho movido a energia ultrassônica, acoplado a uma ponteira desenhada para esculpir o osso do nariz.

Na rinoplastia ultrassônica, a maior parte da pele do nariz é afastada e, com o osso exposto, o cirurgião manuseia o aparelho em micro-movimentos rápidos e precisos.

A baixa frequência preserva cartilagens, mucosas e vasos sanguíneos.

Fonte : Revista Veja

Categorias