Especialistas recomendam exposição ao sol em horários ainda mais restritos

Especialistas recomendam exposição ao sol em horários ainda mais restritos

Especialistas recomendam exposição ao sol em horários ainda mais restritos

Queridinho de cariocas e turistas que passam pela cidade, o sol é cultuado por quem busca uma pele bronzeada, com a cara do Rio de Janeiro.

Mas nestes tempos que antecedem o verão, com o aquecimento global e a incidência cada vez maior de raios solares, especialistas já alertam para a exposição em horários ainda mais restritos, e não mais até as 10h e após as 16h, como tradicionalmente recomendado.

Por causa das altas temperaturas, que potencializam os efeitos do sol na pele, alguns dermatologistas já falam em liberar o banho de sol para crianças e idosos, que têm a pele mais sensível, apenas após as 17h ou 18h em dias mais quentes neste horário de verão.

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Dermatologia no Rio de Janeiro acende ainda mais o alerta : 64% dos cariocas não utilizam nenhum tipo de proteção solar.

De acordo com Emerson Lima, coordenador da Campanha Nacional de Combate ao Câncer de Pele da Sociedade Brasileira de Dermatologia, é preciso saber se prevenir bem contra os raios Ultravioleta A e B. Ele explica que o raio ultravioleta A vem através daquela luz constante, mesmo quando a pessoa está dentro de um ambiente fechado, climatizado.

“Isso porque o ultravioleta passa pelos vidros, janelas, portas. Por isso, aquele sol que muitas das vezes consideramos inofensivo, devemos sim nos proteger contra ele”, explica.

A dermatologista Daniela Lemes, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, alerta que, além de protetores de barreira, como óculos de sol, boné e roupas com mangas, é necessário estar atento à quantidade ideal de filtro solar a ser usada em cada área do corpo. É o que chama de ‘Regra da Colher de Chá’. Ou seja, uma colher de chá para rosto, cabeça, pescoço e para cada braço e duas colheres de chá para cada perna e o tronco (frente e costas). Isso, porém, não é suficiente. É importante também que o filtro solar tenha um amplo espectro e proteja tanto dos raios UVB quanto dos raios UVA. “Eu indico usar de 50 FPS para cima e diariamente”, recomenda Emerson Lima.

Mas o filtro não pode ser um “passaporte” para a exposição. “Não é porque você passou um bom filtro que pode ficar exposto durante horas. O cuidado deve ser permanente, principalmente, se a pessoa tiver uma pele mais clara”, diz Mônica Azulay, coordenadora do departamento de Cosmiatria da Sociedade de Dermatologia do Rio de Janeiro.

Fonte : O Dia

Saiba como funciona a lipoaspiração

Saiba como funciona a lipoaspiração

Saiba como funciona a lipoaspiração

A lipoaspiração é um procedimento estético muito conhecido, principalmente por pessoas que não estão satisfeitas com o seu corpo e cogitam a possibilidade de se submeter à cirurgia.

Mas, se você ainda tem dúvidas sobre a lipoaspiração, saiba tudo nesse artigo e tire suas dúvidas sobre o procedimento.

É necessário saber de alguns fatos antes de se submeter a uma cirurgia de lipoaspiração.

A lipoaspiração é um procedimento cirúrgico. Como se trata de uma cirurgia é preciso ter alguns cuidados e atenções, antes e depois. A lipoaspiração deve ser feita em um centro cirúrgico ou clínica cirúrgica, com anestesia geral, e deve ser executada por um médico cirurgião plástico devidamente formado, especializado e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, SBCP.

A lipoaspiração é indicada quando a pessoa está próxima de seu peso ideal. Grandes volumes de gordura extraídos podem ser nocivos, o que aumenta o perigo. A cirurgia indicada para retirar grandes volumes de gordura é a cirurgia bariatríca.  A lipoaspiração promove a melhora da forma física da pessoa e elimina gorduras localizadas que são difíceis de serem corrigidas apenas com exercício físico e dieta.

Mas a lipoaspiração não dá o resultado sozinha. Antes de qualquer coisa você deve fazer um programa de recondicionamento físico antes e depois da operação, para trabalhar a musculatura. O cirurgião vai trabalhar na camada adiposa, ou seja, onde está a gordura.

A lipoaspiração não é considerada um tratamento para obesidade, nem um tratamento para o emagrecimento. Seu objetivo é a modelagem corporal e não a eliminação de peso.

Fonte : Guia do Corpo

Blefaroplastia, cirurgia plástica que valoriza a região dos olhos

Blefaroplastia, cirurgia plástica que valoriza a região dos olhos

Blefaroplastia, cirurgia plástica que valoriza a região dos olhos

A pele da pálpebra é muito mais fina do que a do resto do corpo. Para recuperar a jovialidade do olhar, é recomendada a cirurgia plástica conhecida como blefaroplastia.

Este procedimento cirúrgico melhora aspecto das pálpebras superiores e inferiores, eliminando bolsas de gordura, rugas, flacidez e, com isso, rejuvenescendo a região em torno dos olhos.

Tanto a blefaroplastia de remodelamento como a blefaroplastia convencional mexe na musculatura palpebro-orbitária.

Fonte : Revista Plástica & Beleza

Campanha nacional de cirurgias de fissura nos lábios está sendo realizada essa semana no Brasil

Campanha nacional de cirurgias de fissura nos lábios está sendo realizada essa semana no Brasil

Campanha nacional de cirurgias de fissura nos lábios está sendo realizada essa semana no Brasil

De 12 a 16 de outubro, a ONG Smile Train, instituição sem fins lucrativos que se dedica a oferecer tratamento gratuito a pessoas com fissura lábio palatina, e a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica se unirão em uma grande campanha nacional em prol desses pacientes.

A iniciativa visa oferecer cirurgias gratuitas em várias regiões do país. Com isso, acredita-se reduzir consideravelmente a lista de espera de pacientes por esse procedimento, beneficiando cerca de 200 pessoas. Durante esse período, dez centros de tratamento de fissura lábio palatina espalhados pelo Brasil receberão a visita de um cirurgião plástico de grande experiência para realizar cirurgias de reparação dessa deformidade congênita junto com a equipe local, treinando-a para otimizar o tratamento desses pacientes.

A abertura oficial foi realizada no dia 12 de outubro em dois centros de tratamento, no Hospital Infantil Dr. Fajardo, em Manaus, e no Hospital Regional Asa Norte, em Brasília, onde o secretário geral da SBCP, Luciano Chaves e o presidente da Fundação IDEAH, Pedro Martins estarão junto com a diretora da ONG Smile Train na América do Sul, Mariane Goes para dar início à campanha, que ocorrerá concomitantemente nos dez centros.

Já em São Paulo, a abertura dos procedimentos ocorrerá no Hospital Darci Vargas.

A programação termina sexta-feira no Hospital Nossa Senhora do Loretto, na Ilha do Governador, único que realiza a cirurgia no Rio de Janeiro.

A expectativa é de que sejam realizadas, pelo menos, 70 cirurgias no Nordeste, 60 na região Norte, 55 no Centro-Oeste, 30 na região Sudeste e 10 no Sul do país. “Essa Campanha Nacional representa um grande passo no avanço para a conscientização da população sobre essa deformidade congênita, como também concretiza uma grande parceria com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, indo de encontro com o que a Smile Train preconiza, um programa sustentável dentro de cada país que ajudamos”, afirma Mariane Goes, Diretora de Programas da ONG Smile Train na América do Sul.

Com centros parceiros fixos espalhados em 20 cidades do Brasil, a ONG Smile Train tem como missão oferecer, de forma gratuita, tratamento completo e de qualidade para pessoas com fissura lábio palatina, trabalhando de forma sustentável através de treinamentos que visem a qualificação dos centros parceiros para uma atuação independente.

A fissura lábio palatina é uma má formação do lábio superior, que também pode atingir o céu da boca e resulta do desenvolvimento incompleto do lábio e/ou do palato, enquanto o bebê está se formando. Com um diagnóstico rápido e a devida assistência médica, é possível reverter esse quadro e dar à criança a oportunidade de ter uma vida sem limitações. Estima-se que no Brasil, a cada 700 nascimentos, 1 criança tenha essa condição.

Fonte : O Dia e site da ONG Smile Train.

Cirurgia bariátrica ajuda a controlar diabetes tipo 2

Cirurgia bariátrica ajuda a controlar diabetes tipo 2

Cirurgia bariátrica ajuda a controlar diabetes tipo 2

A cirurgia de estômago pode ser a solução para quem está muito acima do peso, mas a cirurgia bariátrica não pode ser encarada como a cura para a obesidade. Obesidade é doença e ganhar peso novamente pode ser fácil.

O Ministério da Saúde lembra que a realização da cirurgia é o último recurso para casos de obesidade grave.

O programa Bem Estar, da Rede Globo, falou da importância da cirurgia bariátrica, seus benefícios e quem pode se submeter à operação. Para explicar um pouco mais sobre o tema, convidou o endocrinologista João Eduardo Salles e o cirurgião do aparelho digestivo Almino Ramos.

Antes de se submeter à cirurgia, o paciente precisa passar por uma avaliação multidisciplinar que pode incluir uma série de especialistas, como endocrinologista, nutricionista, psiquiatra, psicólogo, avaliador físico. Um dos maiores problemas de quem fez a cirurgia bariátrica é desistir do acompanhamento com a equipe depois de perder os primeiros quilos.

A pessoa percebe que controla o diabetes, dorme e respira melhor, faz atividade física, e não quer mais ir ao médico. Nesse momento que ocorre o perigo de começar a ganhar peso novamente.

E quem pode fazer a cirurgia bariátrica ? A cirurgia é liberada apenas para pacientes com IMC igual ou maior que 40 e pode ser realizada em casos de IMC entre 35 e 40, desde que o paciente tenha diabetes, por exemplo. O IMC é calculado a partir da divisão do peso pela altura ao quadrado.

A cirurgia de redução de estômago não cura o diabetes tipo 2, mas ajuda no controle. Quando uma pessoa faz cirurgia bariátrica, há no estômago uma redução da grelina, hormônio que estimula a fome e a saciedade. Com isso, a fome também diminui.

O estômago, reduzido pela cirurgia, não consegue digerir o alimento, que acaba chegando praticamente intacto e mais rápido ao intestino. A chegada mais rápida promove uma liberação de diversos hormônios, entre eles o GLP1. Esse hormônio age sobre o pâncreas, que, por sua vez, passa a produzir mais insulina.

Com mais insulina, o corpo consegue colocar mais açúcar para dentro das células. Com isso, o açúcar no sangue diminui. Além disso, quando a pessoa emagrece, diminuem também as substâncias inflamatórias que bloqueiam a ação da insulina na célula. Assim, quando a pessoa emagrece, a insulina age melhor.

Fonte : Bem Estar (Rede Globo de Televisão)

 

Lipoaspiração no braço

Lipoaspiração no braço

Lipoaspiração no braço

Quando falamos em braços, logo dois dramas surgem na nossa cabeça, principalmente em dias mais quentes quando as regatas e os biquínis entram em cena.

Quando os braços ficam gordinhos e a pele flácida, isso acontece pelo excesso de gordura na região, entre o cotovelo e o ombro, e nem sempre os exercícios físicos resolvem, sendo necessário optar pela lipoaspiração.

“Não há uma idade mínima para realizar o procedimento, mas a recomendação é que seja feito após os 18 anos. Também não há uma faixa etária máxima desde que a pele tenha estrutura para passar pela cirurgia”, afirma o cirurgião plático Ricardo Cavalcanti (RJ).

A cirurgia pode ser feita com anestesia geral ou local com sedação. Em seguida, é feita uma incisão de 0,4 centímetros próximos ao cotovelo, outra em cima do ombro ou nas axilas, por onde será feita a sucção da gordura através das cânulas.

Os pontos são retirados após cinco dias “Tomando todos os cuidados necessários no pós-operatório, os resultados já podem ser vistos depois de dois meses”.

Fonte : Revista Plástica & Beleza

Mulheres querem reduzir tamanho das próteses de silicone

Mulheres querem reduzir tamanho das próteses de silicone

Mulheres querem reduzir tamanho das próteses de silicone

Ostentar seios grandes e turbinados já foi objeto de desejo de muitas mulheres nos últimos anos.

Agora, “menos é mais” é o padrão que dita as preferências tanto de quem vai colocar silicone pela primeira vez quanto daquelas que já aderiram à moda, mas querem mudar para um visual menos avantajado.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, embora não haja estatísticas oficiais, tem aumentado o número de pacientes que chegam aos consultórios pedindo a troca das próteses atuais por outras menores.

— Antes, era raro alguém pedir tamanhos menores do que 300ml. Agora, as mulheres preferem volumes entre 200 e 250ml. Elas querem algo mais discreto, que deixa a silhueta mais esbelta — diz o cirurgião plástico Eduardo Kanashiro.

Assim como seios naturais fartos, próteses de silicone muito grandes trazem prejuízo à postura. Para compensar o peso na parte da frente do corpo, é preciso projetar o tronco para trás, o que acarreta uma sobrecarga nas vértebras.

Além disso, mamas excessivamente turbinadas atrapalham a prática de atividade física, sobretudo a aeróbica.

— Hoje, a preocupação é com proporção e harmonia. Elas, agora, querem ser mignon. O aumento do estilo fitness também contribui. Mamas muito grandes não combinam com a mulher fitness — analisa Eduardo Kanashiro.

Segundo a cirurgiã plástica Cristiane Todeschini, a escolha do tamanho das próteses deve ser conjunta, do médico e da paciente, levando em conta as expectativas e a anatomia dela.

Fonte : Jornal EXTRA

Comentários

Categorias